Há menos de um mês para uma das datas mais importantes para o comércio, a Black Friday, ficar atento às ofertas, assim como às condições oferecidas pelas lojas, é essencial para que cada compra ocorra da melhor maneira.

Pensando nisso, algumas dicas podem ser úteis para você levar em consideração na hora da compra. As dicas foram dadas pelo advogado especialista em Direito do Consumidor e do Fornecedor, Dori Boucault ao portal IG.

1. Necessidade

Levar em consideração se realmente é necessário a compra do produto pode evitar possíveis endividamentos, para isso, não comprometa mais que 30% do seu orçamento para uma prestação ou parcela.

2. Política de privacidade da loja

Tenha conhecimento da política de privacidade da loja, principalemente em relação aos compromissos que ela tem em relação ao armazenamento e manipulação dos dados pessoais dos clientes. Caso a empresa não deixe claro esse ponto, é provável que a loja comercialize suas informações para outros lugares, como empresas de marketing, o que pode acarretar em recebimento de ligações, mensagens ou promoções indesejadas.

3. Armazene documentos

Em meio à grande quantidade de fluxo de vendas nesse período, é possível que haja problemas no sistema das lojas. Por isso, para se prevenir de possíveis fraudes ou eventuais problemas, armazene qualquer tipo de documento que sirva de prova sobre a oferta, promoção ou entrega. Nesse caso, prints dos processos da compra, como pagamento, contrato, anúncios e até mesmo panfletos, podem ser úteis.

4. Busca antecipada

A idoneidade da empresa é outro ponto importante e que pode complementar os itens anteriores. Pesquise no site ou na loja física a identificação da empresa, a razão social, o CNPJ, endereço e canais de contato. Caso estas informações não estejam disponíveis, o melhor é procurar outra fornecedora.

5. E-commerce

Para as lojas virtuais, a presença de uma loja física é importante para ter segurança na hora da compra. Isso também é importante para você, cliente, que tenha algum problema e deseja ir até a sede física. Caso o e-commerce não tenha um local físico, fique atento! Pode ser um site de fachada.

“Evite sites que exibem apenas um telefone celular ou um e-mail como forma de contato. Além disso, jamais faça transações em computadores desconhecidos (lanhouses, cybercafé ou redes públicas), pois eles podem não estar devidamente protegidos”, comenta o especialista.

6. Entrega em domicílio

Se sua opção for entrega a domícilio, solicite que o prazo de entrega seja anotado na nota fiscal ou no recibo. No estado de São Paulo, por exemplo, existe uma lei que obriga as empresas a oferecer a possibilidade de agendamento de data e turno para entrega do produto ou a realização de serviço ao consumidor.

7. Busca antecipada por preços

Por fim, faça uma pesquisa antecipada dos preços, isso facilitará a identificação de promoções que não sejam vantajosas neste período. Vale lembrar também que as compras deste período são contempladas pelo direito do consumidor. Para que as reclamações sejam válidas, há um prazo de 30 dias para produtos e serviços não duráveis e 90 dias para serviços e produtos duráveis.

Temos outro post bacana para você: Facebook Messenger começa a aceitar transferências via PayPal

ou ainda: nosso vídeo sobre a data em nosso canal no Youtube.